• Postado por Tiago

zelioprado@yahoo.com.br

Eleição

Apesar do desejo da maioria ser para que não aconteça disputa na eleição para a presidência do conselho deliberativo do Clube Náutico Marcílio Dias, duas chapas poderão concorrer no pleito marcado para o dia 5 de outubro. A primeira, já conhecida, encabeçada por Denísio Dolásio Baixo, e a segunda pelo Cao, conselheiro e membro da torcida Fúria Marcilista. Torço para que haja uma união, pois entendo que não é hora de dividir. Por outro lado, após muitos anos de uma “ditadura” imposta por estes “dirigentezinhos” que estão saindo, o futuro é de democracia. E numa democracia todos têm direitos iguais. Portanto, se houver a disputa, que vença aquele que tiver a melhor proposta para que, junto com o futuro presidente Abelardo Lunardelli, consiga reerguer o clube. Apesar de tudo, ainda acredito num entendimento.

Copa Santa Catarina…

…que inicia no dia 15 de outubro poderá não ter na disputa os dois participantes da divisão especial, campeão e vice, que estarão na primeira divisão em 2010. O motivo é que, com o perrengue entre Futebol Clube do Porto e Camboriú, a divisão especial só vai terminar após o início da Copa Santa Catarina. Portanto, os dois não entram na disputa e perdem a oportunidade de disputar vaga para a série D do Brasileiro em 2010.

Divisão especial

Estive presente no julgamento de quinta-feira, no caso Futebol Clube do Porto e Camboriú, e conversando com advogados diretamente ligados ao caso, a pergunta é sempre a mesma: como é que o departamento técnico da Federação Catarinense de Futebol não detectou o problema logo que ele aconteceu? Se tivesse feito, nada disto estaria acontecendo e o campeonato não teria sido comprometido.

Prejuízo…

…para os falidos clubes envolvidos no imbróglio e que estão gastando o que não têm para tentar se safar. O Futebol Clube do Porto contratou um advogado do Paraná, que já veio a Balneário Camboriú duas vezes. E quem defendeu o Camboriú Futebol Clube foi o Dr. Luiz Trindade Cassetari, de Florianópolis. Certamente, os dois cobram caro. Isso sem contar que o próximo episódio vai ser no STJD da CBF, onde o gasto será ainda maior. Estão gastando o que não têm e tudo isto por incompetência do departamento técnico da Federação Catarinense de Futebol.

Jeitinho

Opinião de algumas pessoas presentes no julgamento da última quinta-feira. Se o presidente Delfim Pádua Peixoto Filho estivesse no comando, a rodada não teria sido suspensa e a competição terminaria dentro do prazo previsto. Quando indagado de que jogos poderiam ser anulados, veio a resposta: “Ele daria um jeito”.

Repeteco

Esta é a segunda vez que o futebol de Camboriú vai ao STJD da CBF tentar valer seus direitos. A primeira foi em 2007, quando a Camboriuense foi derrotada pelo Joinville, que havia colocado em campo jogadores irregulares. Agora, com o nome de Camboriú Futebol Clube, é a vez de enfrentar o Futebol Clube do Porto. Na primeira oportunidade, os dirigentes do Camboriú reclamaram muito da atitude do presidente da Federação Catarinense de Futebol, Delfim Pádua Peixoto Filho, que no entendimento deles teria trabalhado para que o vencedor fosse o Joinville. Agora, de que lado será que está o Delfim? Se ficar neutro já é um grande negócio para o Camboriú.

Rolo

Conversei com o árbitro José Eduardo Buzana, que apitou o jogo Escalvados e São Nicolau, em que aconteceu de tudo, inclusive tiro, e fiquei indignado com o que ouvi. Segundo Buzana, o relatório que foi apresentado no julgamento não foi feito por ele, pois na segunda-feira quando foi à liga para escrevê-lo, foi informado pelo presidente Miguel Lopes e pelo diretor técnico Fioravante Castilhos que o relatório já estava feito. Cita que, em função disto, o relatório sequer leva a assinatura do árbitro do jogo. As perguntas que ficam são: por que não deixaram o árbitro fazer o relatório? Será que com esta atitude queriam proteger alguém? A denúncia do árbitro é grave, até porque o relatório não cita quase nada do que realmente aconteceu naquele dia, segundo quem presenciou os acontecimentos. Com a palavra o presidente da liga, Miguel Lopes, e o diretor técnico Fioravante Castilho. É coisa de louco!

E tem mais

Conversei com alguns árbitros e presidentes de clubes sobre estes lamentáveis acontecimentos e a opinião é uma só. Tem muita gente sentindo saudades do Zenildo Carlos da Rosa.

  •  

Deixe uma Resposta